Partilhar. Ideias, reflexões, impressões, viagens, livros, músicas... Este blog não é mais do que isso!! Um bocadinho de mim :)

.Pipoquices Recentes

. Um dia...

. Dia dos Avós 2012

. 3

. Paiiii, um dia muito feli...

. E hoje, dia 26/01...

. Feliz Ano Novo

. 23.11.2011

. Guilty Pleasures

. E parece que...

. 11

.Baú de Pipoquices

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

Domingo, 27 de Junho de 2010

Poema.

Morre lentamente quem não viaja,
quem não lê,
quem não ouve música,
quem destroi o seu amor próprio,
quem não se deixa ajudar..

Morre lentamente quem evita uma paixão,
quem prefere o "preto no branco",
e os "pontos nos is" a um turbilhão de emoções indomáveis,
justamente as que resgatam brilho nos olhos,
sorrisos e soluços, coração aos tropeços, sentimentos..

Morre lentamente quem não vira a mesa quando está infeliz no trabalho,
quem não arrisca o certo pelo incerto atrás de um sonho,
quem não se permite,
uma vez na vida, fugir de conselhos sensatos..

Morre lentamente quem passa os dias queixando-se da má sorte ou da
chuva incessante,
desistindo de um projecto antes de inicia-lo,
não perguntado sobre um assunto que desconhece
e não respondendo quando lhe indagam o que sabe..

Evitemos a morte em doses suaves,
recordando sempre que estar vivo exige um esforço muito maior que o
simples acto de respirar.
Estejamos vivos então!

 

 

De Martha Medeiros

 

 

Acho bonito, este poema.

Mais que lê-lo, sabe bem interiorizá-lo...

 

 

 

tags:

publicado por Pipoca às 22:12

link do post | comentar | favorito
|

5 comentários:
De black bird a 2 de Julho de 2010 às 13:25
Olá, gostei do poema de alguma maneira veio para mim.
E sinto que o destaque foi bem merecido! até a próxima fica bem!


De Anónimo a 2 de Julho de 2010 às 22:23
esse poema é de pablo neruda..ah aí umas modificações...façam pesquisa no google...plágio n obrigada.
marília


De Pipoca a 4 de Julho de 2010 às 22:37
Olá Marília!

De facto quem deverá fazer uma busca no Google, serás tu!
Este poema circula há anos pela net, como sendo de Pablo Neruda. Acontece que em 2008 ou 2009, a Fundacion Pablo Neruda, veio dizer que este poema não é da sua autoria, mas sim da autoria da brasileira Martha Medeiros, e esclarecer as pessoas que o divulgam incorrectamente.

Obg

Pipoca



De Lígia Laginha a 7 de Julho de 2010 às 10:59
Sempre pensei que este poema era de Pablo Neruda. Ainda bem que se não o é corrigiram esse facto. Pena é que o referido poema circula na Net ainda como sendo de Neruda e vai continuar a correr por muito tempo...


De Pipoca a 7 de Julho de 2010 às 20:19
Olá Lígia!

Pois é....o poema há-de continuar a circular como sendo de Pablo Neruda, erradamente....
Resta-nos ir "espalhando" a verdade!!!!

Beijinhos, obg pelo comentário.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


.tags

. todas as tags

.Quantos já se perderam por aqui?

blogs SAPO

.subscrever feeds